• Ines Rioto

Guia Global Cidade Amiga do Idoso -OMS Global Age-friendly Cities:A Guide - WHO



A ideia deste projeto foi apresentada, em junho de 2005, na sessão de abertura do 18º Congresso Mundial de Gerontologia, no Rio de Janeiro, Brasil por Alexandre kalache, e atraiu o interesse entusiasmado dos especialistas presentes, manifestado através de importantes contribuições de inúmeros parceiros.


O Projeto Mundial Cidade Amiga do Idoso foi desenvolvido por Alexandre Kalache e Louise Plouffe, da sede da OMS em Genebra, na Suíça, e o relatório foi produzido sob sua direção. Contribuições acadêmicas importantes na análise de dados e preparação do relatório foram dadas por Louise Plouffe; Karen Purdy, do Escritório de Defesa dos Interesse de Idosos e Voluntariado, Governo da Austrália Ocidental; Julie Netherland, Ana Krieger e Ruth Finkelstein, da Academia de Medicina de Nova York; Donelda Eve, Winnie Yu e Jennifer MacKay, do Ministério da Saúde da British Columbia; e Charles Petitot, da sede da OMS.


Para se ter uma visão abrangente das características amigáveis aos idosos em cada cidade oito tópicos foram explorados nos grupos focais, Os tópicos incluíam estruturas, ambientes, serviços e políticas que refletem os determinantes do envelhecimento ativo. Os tópicos foram definidos, em pesquisa anterior, realizada com idosos, investigando as características de comunidades amigas do idoso . As mesmas perguntas básicas, sobre cada tópico, foram feitas para os grupos focais em todas as cidades envolvidas.

Moradia / Housing


Visão geral dos achados Moradia é fundamental para a segurança e bem estar. Não é de surpreender que as pessoas consultadas pela OMS, em todas as regiões, tenham muito a dizer sobre os diferentes aspectos de moradia: estrutura, projeto, localização e escolha. Há uma relação direta entre uma moradia apropriada e acesso a serviços comunitários e sociais que influenciam a independência e a qualidade de vida dos idosos. Está claro que a moradia e os serviços de suporte, que permitem os idosos envelhecer com conforto e segurança na comunidade a que pertencem, são universalmente valorizados.


1. Viabilidade financeira

Há um consenso, entre as cidades participantes, de que o custo da moradia é um fator importante e que tem influência direta sobre o local onde os idosos moram e na sua qualidade de vida. Enquanto em algumas cidades o custo da moradia, incluindo o aluguel, é considerado financeiramente viável, em outras, a moradia é considerada cara, tornando difícil aos idosos morarem de forma adequada.

Eu recebo a minha aposentadoria, mas como posso viver com tão pouco dinheiro? Mal entra em casa, em alguns segundos o dinheiro vai embora. Idoso, Istambul Em Genebra, por exemplo, foi relatado que alguns idosos moram em casas grandes demais para eles mas, como são aposentados, não têm dinheiro para se mudar.

Da mesma forma , em Tuymazy, foi dito que o custo de mudança é muito alto, impossível para os aposentados. Moradia pública, gratuita ou de baixo custo é considerada, em algumas cidades, como Londres, uma característica amigável aos idosos

Em outras, como Islamabad, a ausência de moradias de baixo custo é vista como uma barreira. A necessidade de se ter informações sobre moradia subsidiada foi enfatizada em Portage La Prairie. Eu tenho uma casa com terraço e não pago aluguel. Eu gosto muito. Idoso, Londres Em cidades, independente do grau de desenvolvimento do país, foi recomendado que houvesse moradia barata para os idosos.

Dentre as estratégias citadas estão: a redução do imposto predial, para os idosos em Amã, e em Himeji, foi sugerido que houvesse subsídio à moradia, seja ela pública ou privada.


2. Serviços essenciais

Em algumas poucas cidades, os serviços essenciais são inadequados ou muito caros. Em Islamabad, casas em áreas de baixa renda não têm eletricidade, gás ou água. Em Moscou, os serviços básicos (água, luz, gás, telefone) são considerados caros.

Em Dundalk e Istambul, os idosos preocupam-se com o alto custo de calefação e acreditam que o governo deveria subsidiá-lo.

Na Jamaica, idosos de baixa renda têm dificuldade em pagar o preço dos serviços essenciais e acreditam que seu custo deva ser reduzido. A conta de água me custa $1000. Eu não consigo pagar, então não uso o chuveiro, e às vezes fico sem água.

No Rio de Janeiro, os idosos (de baixa renda) valorizam as melhorias feitas nos serviços de água, esgoto e eletricidade, e em Istambul, os idosos apreciam o bom fornecimento de água.


3. Planejamento

Muitos aspectos do planejamento da moradia afetam a capacidade de os idosos morarem, confortavelmente, em suas casas. Em geral, considera-se importante que os idosos vivam em residências construídas com material adequado e estruturalmente seguras; que tenham superfícies niveladas; que disponham de elevador, se houver andares para subir; que o banheiro e a cozinha sejam adaptados; que seja grande o bastante para se locomover dentro dela; que tenham um espaço de armazenamento adequado; que tenha corredores com portas suficientemente largas para permitir a passagem de cadeira de rodas; e que seja adequadamente equipada para atender às condições ambientais.

Problemas na construção de moradias são relatados em algumas cidades. Na Cidade do México, as pessoas identificam a necessidade de supervisão das construções, para garantir que a moradia seja estruturalmente segura. Em Istambul, foi dito que a pobreza resulta em moradias mal construídas ou mal conservadas e, em Nairóbi, a falta de material de construção é fonte de preocupação. Em Islamabad, algumas moradias não são à prova de terremotos. Várias características estruturais são identificadas como barreiras.

Uma planta cuja disposição dos cômodos impede a mobilidade é um problema identificado em Dundalk. Em La Plata, escadas e pisos não nivelados são vistos como barreiras. Em Moscou, é relatada a necessidade de se ter banheiros e lavabos especificamente projetados para idosos. Em Nova Delhi, foi dito que as cozinhas precisam ser mais bem planejadas.

Na Cidade do México, mencionou-se a necessidade de corrimãos e elevadores em prédios de andares e, em Tóquio, foi apontada a necessidade de corredores e portas suficientemente largas para a passagem de cadeira de rodas.

Em algumas poucas cidades, as moradias não são adequadamente equipadas para as condições climáticas locais. Ar-condicionado, em especial, é considerado uma necessidade em Cancún e em algumas áreas de Melville, onde o desenho do telhado de novas casas faz com que elas se tornem, internamente, mais quentes.

Em muitas cidades, reconhece-se que foram tomadas medidas para melhorar o planejamento de moradias para idosos. Na Cidade do México, por exemplo, 1% do total da construção de novas casas deve ser adequado a idosos. Em Halifax, alguns prédios são amigáveis aos idosos por disporem de rampas de acesso, elevadores, estacionamento, academia de ginástica e portas amplas.

Mesmo assim, as pessoas acreditam que mais precisa ser feito para que se tenha moradias adequadas aos idosos. Em Himeji, recomenda-se que haja mais moradias amigáveis aos idosos enquanto que, em Melbourne, são sugeridos incentivos para estimular arquitetos e construtores a construírem moradias amigáveis aos idosos.

Pessoas em Nova Delhi recomendam que características amigáveis aos idosos sejam incorporadas à legislação específica para construções imobiliárias.

Em Saanich, os construtores incluem características adaptadas ou adaptáveis nos seus projetos, como colocação de interruptores a uma altura mais baixa, a instalação de chuveiros ao invés de banheiras, e escadas que podem ser adaptadas para acomodar um ascensor de cadeira de roda.


4. Modificações (Adaptações)

A possibilidade de se adaptar uma casa ou apartamento também afeta a capacidade dos idosos continuarem a viver confortavelmente em sua casa. Cuidadores em Dundalk gostam dos ascensores instalados para cadeiras de rodas para auxiliar no deslocamento de idosos cadeirantes. Em Mayaguez, apartamentos para idosos com deficiências precisam ser devidamente adaptados. Em poucas cidades, como Himeji e Dundalk, há auxílio financeiro para a realização de modificações. Várias dificuldades em relação a reformas de casa foram identificadas. Em Halifax, reformar uma casa é considerado caro e difícil.

Restrições para reformas de moradias públicas foram mencionadas em Himeji e Nova Delhi. Em Portland, um imóvel alugado que tenha sido reformado deve ser devolvido em seu estado original. Em Melbourne, foi observado que equipamentos de auxílio não podem ser usados por não caberem na casa, e muitos cuidadores não conseguem custear as reformas necessárias.

Em Sherbrooke, foi mencionada a necessidade de se adaptar moradias para determinadas doenças. Além dos idosos manifestarem a importância de conhecerem as possíveis opções para adaptação da sua casa, em muitas cidades foi mencionado que eles precisam obter o material necessário.

Em Tuymazy, os cuidadores identificam a necessidade de receberem informações sobre diferentes tipos de materiais e suas possíveis adaptações e sobre equipamentos de fácil aquisição. Em Udaipur, foram mencionadas dificuldades para se obter corrimãos, rampas e banheiros.


5. Manutenção

A manutenção ou conservação da casa é um grande obstáculo para alguns idosos. Em Cancún, os idosos dizem que são incapazes de fazer consertos por causa do custo envolvido. Em Melbourne também há preocupação com os custos de manutenção e sugere-se que a prefeitura cobre uma taxa simbólica para disponibilizar um serviço de manutenção de casas. No Rio de Janeiro, o alto custo do condomínio é considerado um obstáculo, mas foi observado que é possível sublocar um apartamento para pagar parte do custo de manutenção da casa. Em Dundalk, os idosos valorizam as verbas disponibilizadas para reformas, mas se queixam da dificuldade em organizar os funcionários para fazer os consertos. Foram embora no meio da obra e levaram meses para voltar e terminar. Idoso, Dundalk Em Melville, há preocupação quanto ao fato de estranhos virem fazer o trabalho de manutenção e foi sugerido que a prefeitura tenha uma lista de profissionais confiáveis e preparados para lidar com idosos. Em Portland, os cuidadores gostam do sistema usado para avaliar empreiteiros e pessoal dos serviços de conserto e manutenção. Também são identificados problemas em relação aos consertos que precisam ser feitos em moradias públicas ou alugadas. Em Londres, há preocupação quanto ao fato dos consertos demorarem muito para serem executados. Em Trípoli, os idosos dizem que os senhorios negligenciam propositadamente a manutenção dos imóveis, para que os idosos se mudem. Em Delhi, é dito que as áreas comuns, como as escadas, são geralmente negligenciadas, permanecendo sujas e escuras. Contudo, os funcionários de moradias coletivas, como zeladores e faxineiros, têm, por vezes, um papel importante no bem-estar dos idosos. Em Genebra, os idosos falaram da importância do zelador no contato entre os residentes e para providenciar os consertos necessários.


6. Acesso a serviços

Prestação de serviços a idosos em seus lares é especialmente importante. Em Udine foi dito que os idosos não cogitam em se mudar de onde moram. Da mesma forma, em Tuymazy, os prestadores de serviço dizem que os idosos são muito apegados às suas casas e não querem se mudar. Em Saanich, manifestam que é melhor receber ajuda em casa do que ter que se mudar. Em algumas cidades, há dificuldades de se obter serviços em casa, inclusive, pelo seu custo, o que é considerado uma desvantagem. Na região metropolitana do Ruhr, são poucas as pessoas que fazem serviços de limpeza e jardinagem, e elas cobram caro. Já em Saanich, idosos reclamam que os serviços de limpeza e jardinagem são precários. Morar perto de uma área em que haja serviços e prédios públicos é considerada uma característica amigável ao idoso. Essa característica é mais comumente citada por pessoas residentes em cidades de países desenvolvidos, como Melville, Portage La Prairie e Tóquio. Em San José, idosos gostam de morar próximo a serviços públicos, do comércio e de igrejas e templos. Em várias cidades, como Nairóbi, Udaipur e Udine, viver longe desses serviços é considerado um problema. Houve um alerta quanto ao fato de um idoso permanecer em casa, porém incapaz de cuidar de si adequadamente. Na Cidade do México, foi levantada a necessidade de se educar os idosos quanto aos riscos de morarem sozinhos, e em Saanich foi sugerida a publicação de um guia para idosos listando os diferentes prestadores de serviços de manutenção e conservação de imóveis.


7. Conexões comunitárias e familiares

Ambientes familiares, em que as pessoas se sintam integradas à comunidade, contribuem para que uma cidade seja amiga do idoso. Por esse motivo, os idosos relutam em se mudar. Em Udine, os idosos dizem sentir um tipo de “segurança psicológica” no seu ambiente. Em Trípoli, os idosos enfatizam a importância dos seus vizinhos. Em Dundalk, prestadores de serviço reconhecem a necessidade de as das novas construções para idosos ficarem próximas das antigas, para que eles mantenham seus vínculos com a família e a comunidade. Em Himeji, há preocupação quanto aos idosos perderem seus vínculos com a comunidade caso se mudem para outro local. Mudanças na cidade afetam essa sensação de familiaridade com a comunidade. Em Tóquio, a falta de contato pessoal com os vizinhos, decorrente da construção de prédios altos, é considerada como uma característica não amigável ao idoso. Em Sherbrooke, idosos mostram preocupação com a falta de espaços para integração entre as gerações. Em Genebra, a falta de contato com jovens em prédios de apartamentos é vista como uma desvantagem. Em Udaipur, os cuidadores reclamam que os apartamentos modernos e sem varandas não permitem a interação da comunidade. A importância de um planejamento que facilite a interação comunitária é mencionada também em Dundalk, onde foi sugerido que as casas devem estar próximas a centros comunitários para reduzir a sensação de isolamento.


8. Opções de moradia

Ter várias opções de moradia na região para atender às novas necessidades é uma importante característica amigável ao idoso. Algumas cidades oferecem várias opções de moradia. Em Melville, por exemplo, os idosos podem escolher entre morar em casas menores, residências para idosos ou centros de longa permanência. Em muitas cidades foi enfatizada a necessidade de mais opções de moradia para idosos. Em Halifax, por exemplo, foi dito que alguns idosos se preocupavam por não encontrar acomodações na área que queriam e por não terem conhecimento das opções de moradia existentes. Em algumas cidades, há opções de moradia para idosos. Em Melville, complexos residenciais para idosos oferecem uma variedade de serviços, áreas de lazer e atividades. Você tem muitas atividades sociais, você pode estar ocupado o tempo todo ou pode fechar a porta e ficar em casa, não participar. É sua a escolha.. Idoso, Melville Moradia para idosos parece estar em falta em muitas cidades e o tempo de espera para uma pode ser longo, como foi dito em Halifax e Himeji. Moradias para idosos também devem ser baratas para terem a característica de amigável. Idosos em Saanich expressam preocupação com o seu custo. É claramente mencionada, em algumas cidades, a preocupação de que a moradia para idosos seja integrada à comunidade local. Em Melville, foi sugerido que houvesse grupos de moradias de idosos, com pequenos jardins, em toda a cidade, para que eles não fiquem isolados da comunidade e, especialmente, das crianças. Em Portland, foi identificada a necessidade de uma moradia multigeracional. Na região metropolitana do Ruhr e em Sherbrooke, há preocupação quanto à criação de guetos de idosos em grandes complexos residenciais de idosos.


9. Ambiente onde se mora

É importante que os idosos tenham espaço e privacidade em sua casa. Em algumas cidades de países em desenvolvimento e em Tuymazy, o excesso de pessoas é identificado como um obstáculo para os idosos. Em Delhi, por exemplo, como o tamanho médio das famílias aumentou, as casas ficaram abrigando um número excessivo de moradores e os idosos não têm espaço suficiente. Em San José, um número excessivo de moradores é resultado do alto custo da habitação, que força os membros da família a viverem na mesma casa. A sensação de segurança no ambiente doméstico é uma outra questão importante. Em muitas cidades, os idosos se sentem inseguros e, em especial, têm medo de morar sozinhos. Em algumas cidades foram tomadas medidas para aumentar a segurança das residências de idosos. Em Dundalk, por exemplo, câmaras de vigilância são usadas em algumas casas; em Genebra existe um acesso seguro a prédios de apartamentos; em Saanich, são feitas verificações de segurança da casa gratuitamente; e em Xangai existe um policiamento local de segurança. Em Himeji, alguns apartamentos têm dispositivos para fazer chamadas de emergência em caso de necessidade.

Mesmo assim, ainda precisa ser feito mais para que os idosos se sintam seguros em casa. Em Udaipur, recomenda-se que sejam prestadas mais informações sobre segurança e em Saanich foi sugerida a instalação de alarmes de emergência. Em algumas cidades, as casas dos idosos estão localizadas em áreas de risco de ocorrência de desastres naturais. Em La Plata, algumas casas estão em áreas sujeitas a inundações e em Islamabad os idosos preocupam-se com terremotos.


Checklist de moradias amigáveis ao idoso


Custo acessível

 Existem moradias de custo acessível para todos os idosos.

Serviços essenciais

 Os serviços essenciais são prestados a um custo acessível.

Planejamento

 As moradias são feitas de materiais apropriados e bem estruturadas.

 Há espaço suficiente para que os idosos se locomovam com facilidade dentro da casa.

 A moradia é apropriadamente equipada para atender às condições ambientais (por exemplo, dispõe de ar-condicionado ou calefação).

 A moradia está adaptada para os idosos, com pisos nivelados, corredores e portas largas o suficiente para a passagem de cadeira de rodas, e com banheiros, lavabos e cozinhas especialmente adaptados.

Modificações

 A moradia pode ser modificada para atender aos idosos, quando houver necessidade.

 As modificações da moradia têm custo acessível.

 Equipamentos e material para modificações de moradia são facilmente encontrados.

 Há financiamentos e auxílio financeiro para reformas da casa.

 Há uma boa compreensão de como uma casa pode ser modificada para atender às necessidades dos idosos.

Manutenção

 Os serviços de manutenção são de custo acessível para os idosos.

 Há prestadores de serviço devidamente qualificados e confiáveis para fazer a manutenção da casa.

 Moradias públicas, moradias de aluguel e áreas comuns são bem conservadas. Envelhecer em casa

 A moradia fica perto de serviços e do comércio.

 Serviços de custo acessível são prestados a domicílio, para que os idosos “envelheçam em casa”.

 Os idosos estão bem informados dos serviços existentes para que eles possam envelhecer em suas casas.

Integração comunitária

 O projeto da moradia facilita a integração permanente dos idosos na comunidade

Opções de moradia

 Existe, na região, uma gama de opções de moradia apropriadas e de custo acessível para os idosos, incluindo-se os frágeis e dependentes.

 Os idosos estão bem informados sobre as opções de moradia existentes.

Moradia

 Há moradias em número suficiente na região e a um custo acessível para os idosos.

 Há uma gama de serviços apropriados além de entretenimento e atividades nos prédios onde os idosos moram.

 A moradia dos idosos está integrada na comunidade onde se localiza.

Ambiente da casa

 A moradia não tem excesso de moradores.

 Os idosos se sentem confortáveis no ambiente em que moram.

 A moradia não é localizada em áreas sujeitas a desastres naturais.

 Os idosos se sentem seguros no ambiente onde vivem.

 Há auxílio financeiro para medidas de segurança da casa.