• Ines Rioto

A Design for Life:Urban practices for an age-friendly city




1 / Ageing is not a ‘problem’ or a ‘timebomb’. Planners, developers and designers must stop thinking about older people as patients or a burden, but as citizens.


2 / Older people are diverse and want different things from their homes and communities. Age is a part of our identities, but so is gender, ethnicity, sexuality, religion, class, politics, jobs, friends and where we live.


3 / We cannot plan and design based on stereotypes or ‘putting ourselves in older people’s shoes’. We have to put the work in, do the research and engage directly with the older people who live in our towns and cities.


4 / A Design For Life means valuing what makes life good. It’s not about a place to live from birth until death, it’s about supporting social life, cultural life, community life, family life, night life, an active life, the quiet life and all lives in between.


Tradução livre:


Um Design para a Vida:

Práticas urbanas para uma cidade amiga do idoso


1/ O envelhecimento não é um 'problema' ou uma 'bomba-relógio'. Os planejadores, desenvolvedores e designers devem parar de pensar nas pessoas mais velhas como pacientes ou um fardo, mas como cidadãos.


2 / Os idosos são diversos e desejam coisas diferentes de suas casas e comunidades. Idade faz parte de nossas identidades, mas também é gênero, etnia, sexualidade, religião, classe, política, empregos, amigos e onde vivemos.


3 / Não podemos planejar e projetar com base em estereótipos ou "nos colocar no lugar dos mais velhos". Temos que trabalhar, fazer pesquisas e nos envolver diretamente com os idosos que moram em nossas cidades.


4 / A Design For Life significa valorizar o que torna a vida boa. Não se trata de um lugar para viver desde o nascimento até a morte, trata-se de apoiar a vida social, vida cultural, vida comunitária, vida familiar, vida noturna, uma vida ativa, a vida tranquila e todas as vidas intermediárias.